Pular para o conteúdo principal

Leituras Virtuais

       Confesso que tenho muita dificuldade com livros digitais. Não que tenha algo contra eles, não sou desses que diz que o e-book vai acabar com o livro impresso, até porque já está mais do que provado que isso não vai acontecer. Mas por algum motivo não me dou bem com livros virtuais, acho que nunca consegui terminar nenhum.

        Acontece que a leitura não se resume ao simples ler para obter informação. Talvez se aproxime um pouco da comida, como dizem os grandes entendedores de comida: comer não significa só alimentar-se, existem mais experiencias contidas em uma refeição que a simples deglutição. Come-se primeiro com os olhos, come-se também com o nariz, o ambiente faz parte da refeição, até mesmo o prato e os talheres.

         Não que eu seja um grande expert em literatura, muito pelo contrário. De qualquer modo me considero sim uma pessoa que come e lê por prazer, não por necessidade.

        Assim é que a leitura, tal qual a gastronomia, é uma experiencia multisensorial. Não lemos somente com os olhos, mas com o nariz, o cheiro do livro novo, o cheiro de livro velho fazem toda a diferença, ajudam a contextualizar a história. A textura, cor e espessura do papel também irão influenciar na forma com que aproveitamos o momento.

       Um livro pesado com letras miúdas nos remete a algo solene e importante. Já os leves e com letras grandalhonas quase sempre são livros com temas igualmente mais leves e fáceis de digerir, verdadeiras saladas literárias.

        Até mesmo a capa é fator importante, julgue sim um livro pela capa! Existe uma grande diferença entre ler um Don Quixote de capa flexível e colorida e um volume do mesmo título com encadernação de capa dura em couro, digna das grandes aventuras de cavalaria.

        O caso é que livros virtuais não permitem esses pequenos prazeres, esses detalhes que fazem a história saltar das páginas e envolver o leitor. Me desculpem os tecnomaníacos, mas existe algo de incompleto na leitura virtual.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E agora, Y?

Bem vindo sejas tu, que está prestes a ler um pouco mais sobre o grupo ao qual possivelmente pertenças, a Geração Y, e sobre o comportamento destes caras no mercado de trabalho.
Sociologicamente definidos como os nascidos entre o fim da década de 1970 e o início da década de 1990. Enfim, aqueles que estão ingressando agora ou ingressaram recentemente no mercado de trabalho. Mas isso é sociologia. Geração Y está muito ligado àquilo que sentimos e como agimos, desprendendo-se de datas (vamos lembrar que quem estabeleceu essas datas foi a Geração X). Pertencer a este grupo é muito mais para quem tem atitudes e sentimentos que dizem respeito a este grupo do que um dado da certidão de nascimento (se tu não concordas com isso, não discutirei. Fadiga)
Geração Y: se tu chamas teu chefe de cara, se tu te interessas por um trabalho pela possível promoção e pela possibilidade de aumento, ao invés do cargo e salário iniciais, se tu não suportas fazer sempre a mesma coisa, se tu amas a internet (L) …

Dilmas, Aécios e Marinas...

A campanha de todos os candidatos a presidência é igualmente rasa.
        Provavelmente depois da afirmação acima os amantes da esquerda já estão pensando que este vai ser um comentário reacionário e cheio de preconceitos, já devem até estar especulando sobre a minha vidinha burguesa. Do mesmo modo os defensores de um posicionamento direitista talvez me chamem de massa de manobra ideológica, conjecturando sobre o meu endeusamento deste ou daquele partido, que não vejo a realidade e que minhas ideias estão ultrapassadas. Talvez, assim como seus adversários de esquerda, imaginem que tenho uma vida burguesa e que defendo essas ideias para irritar o papai.
        Bom, por mim tudo bem. Podem me colocar do outro lado de qualquer linha imaginária que queira, mas a verdade é que é justamente esta maneira de encarar a politica que me faz dizer que as campanhas são rasas. Vejam bem, prestando atenção ao horário eleitoral da televisão, às entrevistas nos jornais, as falas em qualquer comício, as…